Formação modular para empregados e desempregados

O projeto de Formação Modular Certificada, financiada pelo Fundo Social Europeu, ao abrigo do POISE-01-3524-FSE-003821. Visa potenciar a empregabilidade da população ativa, nomeadamente dos empregados e desempregados, com especial enfoque nos que se encontram em risco de desemprego, através do aumento da sua adaptabilidade por via do desenvolvimento das competências requeridas no mercado de trabalho.

Destinatário elegíveis Ativos empregados: Desempregados da Zona Centro de Portugal, inscritos no Serviço de Emprego há menos de um ano, detentores de habilitações iguais ou superiores ao ensino secundário, que se encontrem mais próximos do reingresso no mercado de trabalho.

Habilitações escolares: Iguais ou superiores ao 4º ano de escolaridade para formações modulares integradas em percursos de nível 2, e igual ou superior ao 9º ano de escolaridade para formações modulares integradas em percursos de nível 4; Os ativos desempregados devem ser detentores de habilitação igual ou superior ao 12.º ano.

Custos de participação: As ações não terão qualquer custo para os participantes uma vez que são financiadas pelo Fundo Social Europeu e Estado Português. Nos dias em que o período de formação frequentada seja igual ou superior a três horas, será pago o subsídio de alimentação no valor de 4,77 €/dia, desde que a formação decorra fora do período normal de trabalho.

Horário de realização: As ações decorrerão preferencialmente em dias alternados, podendo realizar-se em horário laboral ou pós laboral.

Inscrições: Serão efetuadas exclusivamente no site da AMRT. Para que a formação cumpra o calendário previsto, as inscrições devem ser realizadas com antecedência. O número de vagas é limitado, sendo, no entanto, necessário existir um mínimo de 15 formandos para que cada ação se realize. Os formandos inscritos serão contactados até 5 dias antes do início da ação, quando se verifiquem as condições necessárias para a realização da mesma. Enviar inscrição e duvidas para: “amrt.forma@gmail.com”

Benefícios: Certificado de qualificações (desde que com aproveitamento e mínimo 90% assiduidade); Seguro de acidentes pessoais, para desempregados; Subsídio de alimentação: 4,77 €/dia, nos dias em que o período de formação frequentada seja igual ou superior a três horas; Formação 100% Financiada.

Documentação obrigatória: Certificado de Habilitações concluídas (não podem ser aceites certificados de frequência); Prova de emprego: Recibo vencimento do mês anterior ao início formação; ou declaração da entidade empregadora; ou declaração da Segurança Social. Comprovativo do período normal de trabalho – Declaração da entidade empregadora; Prova de desemprego: Declaração do Serviço Público de Emprego (IEFP), em como se encontra desempregado há menos de 12 meses; ou declaração da Segurança Social; ou declaração do próprio, quando não está registado no Serviço Público de Emprego, devidamente acompanhada de uma cópia dos descontos realizados para a Segurança Social no último ano. Comprovativo bancário onde conste o NIB/IBAN e nome do formando da conta de que seja titular; Comprovativo de residência (Recibo da luz, água, internet, gás, etc., ou Certidão de domicílio fiscal retirada do site das Finanças, ou Comprovativo de morada através da Segurança Social Direta, ou Comprovativo de IBAN, se tiver associado o nome e morada).

Nota: Apenas são elegíveis os Desempregados não DLD (desempregados há menos de 1 ano), detentores de habilitações iguais ou superiores ao ensino secundário.

Formação à distância Requisitos mínimos: Para um adequado acesso e utilização da plataforma de formação são os seguintes requisitos mínimos: Ligação à Internet com boa qualidade; Computador/telemóvel/tablet com sistema operativo atualizado; Browser atualizado (exp.: Chrome, Edge ou Firefox); Auscultadores.

Anexo: Formações já realizadas 2020 a 2023 e Formações Previstas até 30 junho 2023

Partilhar:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Relacionadas

Notícias mais lidas

EXPOSIÇÃO LUGARES DE (IM)PERMANÊNCIA

Esta iniciativa convida artistas e criativos a “habitar” os bairros periféricos de Lisboa: o resultado é uma investigação/exposição sobre a imigração e gentrificação na cidade, que pode agora ser visitada